Engenharia

Ética profissional: do conceito à prática

Sistema debateu a importância dos princípios éticos alinhados às profissões

Os coordenadores das Comissões de Ética dos Creas das regiões Sul e Sudeste se reuniram na segunda-feira à noite (10/06), em São Paulo, para o evento “Ética na Prática”, que discutiu como a aplicação dos princípios éticos nos processos e no exercício das profissões da área tecnológica.

A presidente do Crea-SP, Eng. Lígia Mackey, foi a anfitriã do encontro realizado em conjunto com o Confea. Na abertura, em que ela esteve representando também o presidente do Conselho Federal, Eng. Vinicius Marchese, Lígia fez uma consideração sobre o tema. “É fundamental falarmos, pois a ética não é mais interpretada como antes, haja visto os processos que chegam. Essa é uma oportunidade que temos para aprender e melhorar como profissionais e seres humanos”, comentou.

Conselheiro federal por Pernambuco, o Eng. Nielsen Christianni, membro da Comissão de Ética e Exercício Profissional (CEEP) do Confea, destacou que a iniciativa tem a função de estabelecer um fluxo unificado no Sistema Confea/Crea, fomentando a troca de experiências. “A ética tem que estar intrinsecamente ligada a todas as áreas de desenvolvimento e à qualidade de vida da nossa população. Queremos sair do conceito de ética profissional para a prática de ética profissional, de forma que venha a reverberar na vida das pessoas”, ressaltou.

Isso não significa apenas transcrever uma resolução, disse o conselheiro federal de Mato Grosso do Sul, Eng. Domingos Sahib. “As profissões estão evoluindo. Sem ética, é difícil manter uma relação com a sociedade”. Já para a Eng. Janeth Fernandes, coordenadora nacional das Comissões de Ética dos Creas, ter o assunto centralizado é uma oportunidade de ampliar os horizontes em vista da crescente transformação que a área protagoniza. “É um aprendizado e trazer a palestra para os futuros engenheiros é uma missão. Eu tenho certeza que o evento irá abrir a mente de quem está entrando agora no Sistema”, defendeu Janeth.

Como palestrante convidado, o Eng. Frederico Cesarino falou sobre a variação dos sistemas éticos, que mudam de acordo com a cultura, o tempo, o local e os códigos. Foi apresentando esse conceito que ele ministrou a exposição “Ética na Prática: desafios, sensibilização e colaboração”. Frederico levou quatro casos reais de ações antiéticas para debater com o público, destacando as dificuldades de lidar com esse tipo de situação no dia a dia. “As questões éticas são muito complexas. Há também outros desafios, como a falta de recursos, a dificuldade na coleta de evidências e a falta de colaboração das testemunhas”, comentou o engenheiro. Entre as soluções propostas por ele, está a aproximação do Sistema Confea/Crea e Mútua com as universidades e o Poder Judiciário.

Nesse sentido, os participantes foram inseridos no painel “Recém-formados x Ética: Como as universidades podem preparar profissionais para o mercado?”, moderado pelo conselheiro federal de Roraima, Eng. Lucas Carneiro. “Apesar de fundamental, na minha universidade, a ética era abordada de forma genérica, sem especificidades para a Engenharia”, ressaltou. O que, para a historiadora e jornalista especialista em ética Margot Cardoso, pode ser um grande problema: “Não importa formar tecnocratas. A formação do sujeito ético leva muito tempo, é processo. Ele tem que transformar esses valores e absorvê-los”, acrescentou em seguida.

A Eng. Juliana Casadei, autora do livro “Manual de Ética Profissional”, que também participou do painel, explicou como deve ser a elaboração de um código de ética. “É preciso definir o objetivo final para estabelecer as condutas desejadas. Deve ser uma relação de ganha-ganha: tanto o profissional quanto a sociedade se beneficiam”, afirmou.

Ou seja, nesse contexto, a educação é parte integrante do processo de formação dos profissionais da área tecnológica, não apenas nos conhecimentos técnicos, como também para a consolidação de uma base de atuação segura. “Para aplicar a tecnologia com ética, é necessário conscientizar. A educação continua sendo fundamental. Os princípios éticos devem acompanhar os avanços da inteligência artificial”, concluiu a Eng. Janeth Fernandes.

Veja abaixo a transmissão completa do encontro “Ética na Prática”.

Fonte: Assessoria de Comunicação CREA/SP

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Precisa de ajuda?